Ciclotrons aumentam a produção de radiofármacos | AIEA

Há doze anos, a Universidade de Coimbra investiu no primeiro cíclotron do país, um acelerador de partículas usado para produzir radioisótopos para medicamentos, conhecidos como radiofármacos. Os radiofármacos são cruciais para o diagnóstico e tratamento de câncer e doenças cerebrais e cardiovasculares. Com a introdução da máquina, os radiofármacos poderiam ser produzidos internamente e a região também poderia ser abastecida. Hoje, Portugal opera três ciclotrons – dois em Coimbra e um no Porto – fornecendo radiofármacos que salvam vidas para a Península Ibérica, leste da França e partes do norte da África.

A expansão da tecnologia cíclotron na última década não é uma história única em Portugal. Existem agora mais de 1.200 ciclotrons em operação em todo o mundo, produzindo radionuclídeos importantes e aumentando a disponibilidade da medicina nuclear – permitindo diagnósticos melhores e mais eficazes.

“Os ciclotrons mudaram o curso dos radiofármacos nos últimos 30 anos”, disse Amirreza Jalilian, radioisótopo e químico radiofarmacêutico da AIEA. Ao contrário dos reatores de pesquisa nuclear, que tradicionalmente produzem radiofármacos, os cíclotrons não utilizam fonte radioativa, são mais fáceis de instalar e operar e podem ser colocados diretamente em hospitais.

Entre 10 e 12 por cento dos radiofármacos em todo o mundo são fabricados em cíclotrons, mas a demanda por cíclotrons está aumentando à medida que mais e mais radionuclídeos que eles produzem são usados ​​em pesquisa, diagnóstico e tratamento de uma série de doenças potencialmente fatais, como câncer, Parkinson, Alzheimer e insônia.

Jalilian é coautor de um relatório da AIEA publicado recentemente, Alternative Radionuclide Production with a Cyclotron, que lista uma variedade de radionuclídeos que podem ser produzidos com ciclotrons. O documento complementa o Banco de dados da AIEA de ciclotrons para produção de radionuclídeosservindo como um catálogo acessível para formuladores de políticas, pesquisadores, empresas e estudantes e especialistas técnicos para obter uma visão geral dos tipos de radionuclídeos que essas máquinas podem produzir e como eles são úteis em medicina nuclear, atendimento ao paciente e tratamento.

“Em Portugal, os nossos ciclotrons estão a abrir caminho para um melhor diagnóstico, tratamento, investigação e desenvolvimento, proporcionando uma nova forma direta de produzir alguns radionuclídeos como o gálio-68”, disse Antero Abrunhosa, diretor do Instituto de Ciências Nucleares Aplicadas à Saúde. da Universidade de Coimbra. “Participamos ativamente da pesquisa e desenvolvimento para garantir que atendemos a demanda atual e futura de radionuclídeos e radiofármacos para aplicações de diagnóstico”.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.