Ideias no Mudo? Estudo: Reuniões Remotas Reduzem o Brainstorming | notícias de negócios

Por SETH BORENSTEIN, AP Science Author

As videoconferências sufocam o brainstorming porque estamos tão focados no rosto na caixa que não deixamos nossos olhos e mentes vagarem, segundo um novo estudo.

Encarar não é bom para a criatividade. Embora seja rude olhar para alguém na vida real, é de se esperar ao fazer uma chamada de vídeo, disseram os pesquisadores.

No entanto, ao avaliar as novas ideias, esse foco, pelo menos no bate-papo individual, parece tornar as reuniões remotas um pouco melhores do que o bate-papo presencial, disse um estudo na quarta-feira na revista Nature.

Os pesquisadores analisaram 745 pares de engenheiros em cinco países diferentes tentando apresentar ideias criativas para o uso de frisbees ou plástico bolha. Aqueles na mesma sala geraram uma ideia a mais em média, cerca de 17% a mais do que aqueles em reuniões remotas. E essas ideias práticas foram julgadas por especialistas externos como mais criativas, segundo o estudo.

Caricatura Política

A autora do estudo, Melanie Brucks, professora de psicologia aplicada na escola de negócios da Universidade de Columbia, disse que era o resultado que ela esperava – mas não o motivo pelo qual ela esperava.

A princípio, ele pensou que era devido ao distanciamento social e físico – talvez as duas pessoas não estivessem se dando bem ou as pessoas não soubessem quem estava falando quando. Mas vários testes diferentes de conexão social descobriram que casais de encontros à distância se conectam da mesma maneira que pessoas na mesma sala.

Então o olho dá. Quando Brucks rastreou os movimentos dos olhos, descobriu que as pessoas na mesma sala desviavam o olhar com mais frequência, olhando ao redor. Mas os casais de encontros à distância não.

“Eles estão muito focados na tarefa em questão e isso torna seu pensamento mais estreito”, disse Brucks – em entrevista via Zoom.

Isso faz sentido porque os rostos atraem nosso foco, disse Adam Green, professor de psicologia da Universidade de Georgetown, que não fez parte do estudo.

“Os rostos são muito importantes para o nosso cérebro e prestamos muita atenção ao olhar para os rostos”, diz Green, presidente da Sociedade para a Neurociência da Criatividade. “Quando estamos com alguém pessoalmente, é rude olhar na cara dele por longos períodos de tempo.”

As reuniões remotas funcionam ao contrário, diz Brucks.

“O zoom não é ruim, tudo é pior. Parece que (o problema) é exclusivo de um processo criativo mais generativo”, disse Brucks.

Quando chegou a hora de avaliar essas opções, os engenheiros de reuniões remotas escolheram a melhor opção – conforme julgado por uma equipe de especialistas externos – um pouco mais do que pessoalmente, descobriu o estudo.

O experimento começou antes da pandemia e foi realizado usando WebEx com uma empresa em escritórios em Portugal, Israel, Finlândia, Hungria e Índia. Os resultados são quase os mesmos em locais diferentes.

“Enquanto estou fazendo um brainstorming agora no Zoom, desligo minha câmera”, disse Brucks. Ele observa que não é diferente de falar ao telefone, exceto que ele está construindo uma conexão pessoal começando com a câmera ligada.

Siga Seth Borenstein no Twitter: @borenbears

O Departamento de Saúde e Ciência da Associated Press recebe apoio do Departamento de Educação Científica do Howard Hughes Medical Institute. A AP é totalmente responsável por todo o conteúdo.

Direitos autorais 2022 O Imprensa associada. Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.