Instituto Português de Tecnologia para a Produção de Biocombustíveis Avançados a partir de Podas – EURACTIV.com

Este item também está disponível em Espanhol, italiano e Português.

Um projeto de aproveitamento dos resíduos da poda da vinha e das árvores de fruto para a produção de biocombustível avançado está a ser desenvolvido no Campus de Tecnologia e Inovação BLC3 em Oliveira do Hospital, adiantou o presidente do campus. A informação é do parceiro da EURACTIV Lusa.pt.

A associação BLC3 “está a desenvolver um projeto de economia circular no setor agrícola, no qual visa reduzir os resíduos das atividades agrícolas, como o campus de tecnologia e inovação BLC3, disse à Lusa João Nunes.

O projeto “com possível aplicação também no setor florestal” também recomenda o uso de “resíduos de colheitas” na produção de biocombustíveis.

A produção é “realizada de forma eficiente e com emissões de CO2 muito inferiores às dos combustíveis fósseis”, sublinhou João Nunes.

O biocombustível avançado produzido por esse processo é “semelhante e equivalente ao diesel agrícola”. “A agricultura é muito importante para a economia e se conseguirmos integrar a utilização eficiente dos recursos, tem potencial de crescimento em termos de competitividade”, continuou o Presidente.

Em Portugal, “temos 3,6 milhões de hectares de agricultura (39,5% da área total) com mais de 360 ​​mil explorações”, o que representa uma média de 10 hectares por exploração.

Com esta dimensão média de exploração, o setor é naturalmente “pouco competitivo em termos de dimensão”, o que tem “impactos no consumo de recursos e nas emissões de CO2”.

Cerca de 360.000 hectares da área de terra são olivais, enquanto 178.000 hectares são vinhedos e 45.000 hectares são usados ​​para a produção de frutas frescas. João Nunes disse que estes geram “uma grande quantidade de resíduos de biomassa” e explicou que “só nestes setores poderíamos estar a falar de um milhão de toneladas de resíduos anualmente”.

No entanto, este número é “sempre difícil de quantificar porque depende da própria produção agrícola”.

“Os sistemas agrícolas de cultivo que produzem grandes quantidades de biomassa têm potencial e interesse para produzir o seu combustível” para utilizar nas suas máquinas, concluiu João Nunes.

O BLC3 Campus de Tecnologia e Inovação é uma associação sem fins lucrativos fundada em 2010. É um “novo modelo de desenvolvimento de atividades de investigação e intensificação tecnológica de excelência, incubação de ideias e empreendimentos e apoio ao tecido económico das regiões nacionais e rurais”.

De acordo com o site da BLC3, é a única organização em Portugal criada para o desenvolvimento e industrialização das biorrefinarias (segunda e terceira geração), da bioeconomia e das “regiões inteligentes” com foco na economia circular.

Refira-se que o Laboratório Colaborativo (CoLab) para a Economia Circular, que apenas recentemente se instalou no seu campus em Oliveira do Hospital, desenvolve atividades em três plataformas tecnológicas. Estes incluem biotecnologia industrial, processos de separação sustentáveis ​​e química verde, bem como eco-design.

O CoLab será “uma estrutura de excelência numa região interior com capacidade de liderança e representação portuguesa na economia circular a nível internacional”.

[Edited by Daniel Eck]

Isabela Carreira

"Organizador sutilmente encantador. Ninja de TV freelancer. Leitor incurável. Empreendedor. Entusiasta de comida. Encrenqueiro incondicional."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *