Moradores são instruídos a ficar em casa quando fortes chuvas e inundações atingem Portugal

LISBOA, 13 de Dezembro (Reuters) – Chuvas torrenciais atingiram partes da Península Ibérica nesta terça-feira, inundando ruas, arrastando carros e forçando autoridades em Portugal a fechar várias estradas e mobilizar as forças armadas para apoiar os esforços de limpeza.

A Câmara Municipal de Lisboa deu um alerta “vermelho” à cidade e apelou às pessoas para que fiquem em casa e evitem deslocações à capital na foz do rio Tejo.

Desde a meia-noite, a Autoridade de Proteção Civil registou cerca de 1.500 incidentes em todo o país, principalmente em Lisboa e nos distritos de Santarém, Portalegre e Évora, incluindo estradas alagadas, túneis, estações de comboios e comércio.

Um porta-voz das forças armadas disse que as autoridades civis pediram ajuda para bombear água nas áreas inundadas.

As escolas de Oeiras, distrito de Lisboa, foram encerradas e os alunos mandados para casa.

Os planos de emergência para o rio Tejo foram acionados, pelo que existe risco de transbordamento.

A agência meteorológica do IPMA disse que a precipitação deverá manter-se “forte e persistente” durante o resto do dia.

O gabinete do prefeito disse na terça-feira que os ônibus e bondes da cidade não estavam operando, o metrô não estava totalmente funcional e algumas estações de trem estavam inacessíveis devido a inundações.

As más condições climatéricas também paralisaram a área metropolitana de Lisboa na passada quarta-feira, quando uma pessoa morreu numa cave inundada.

A dona de supermercado Elia Santos, de 33 anos, disse que na semana passada entrou água na sua loja em Algés, perto de Lisboa, mas “desta vez foi pior”, estimando que terá perdido pelo menos 6.000 euros em danos sem contar os equipamentos elétricos.

“Tudo se foi”, disse Artur Rosa, 57, cuja imobiliária foi inundada pela segunda vez em menos de uma semana.

“É uma devastação total – janelas quebradas, móveis todos destruídos, tudo… documentação que tivemos que guardar por 10 anos.”

A chuva torrencial atingiu outras partes do país na terça-feira, com o IPMA declarando um aviso meteorológico “laranja” em todos os distritos do continente, exceto um.

A vizinha Espanha também foi duramente atingida, com a região centro-oeste da Extremadura no segundo maior nível de emergência. A forte chuva provocou o desabamento da via e dez pessoas tiveram de ser resgatadas.

A Câmara Municipal de Lisboa tem sido criticada por falhar durante anos na construção de infraestruturas para evitar inundações. O prefeito Carlos Moedas disse que as obras para construir um túnel de drenagem de 5 km (3 milhas) devem começar imediatamente.

“Você tem que pensar em infra-estrutura – este é um problema de longo prazo”, disse Stefani Nolasco, 23, gerente de um restaurante inundado em Algés.

Reportagem de Pedro Nunes, Sérgio Gonçalves, Catarina Demony e Patrícia Vicente Rua em Lisboa; Reportagem adicional de Emma Gonzalez em Madri; Editado por Andrei Khalip e Janet Lawrence

Nosso padrão: Os Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Chico Braga

"Explorador. Organizador. Entusiasta de mídia social sem remorso. Fanático por TV amigável. Amante de café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *