Opinião: O que Martha’s Vineyard nos diz sobre imigração

Mais do que muitos lugares nos Estados Unidos, esta ilha na costa de Massachusetts está acostumada a receber um influxo de sul-americanos. Não venezuelanos, mas brasileiros. E não foram os requerentes de asilo sem conexões que caíram do céu, mas os trabalhadores migrantes que seguiram amigos e familiares em vários países.

De fato, por décadas, Martha’s Vineyard tem sido um microcosmo de grande parte de nossa hipocrisia nacional em relação às leis de imigração — violações que cruzam as linhas partidárias. Foi também uma história sobre o que os imigrantes contribuem para as comunidades quando têm a oportunidade.

A queda em manobras políticas horríveis distrai do fato de que nosso sistema de imigração falido não é um problema partidário. É um americano. E um que o Congresso não respondeu em décadas.

Nossas leis não refletem a realidade de nossas necessidades trabalhistas ou nossas aspirações humanitárias. Despejar requerentes de asilo em uma ilha que eles não escolheram e despreparados para sua chegada não é apenas cruel, mas distrai do trabalho árduo de encontrar uma solução para um sistema de retalhos mais amplo e cheio de problemas.

Há treze anos escrevi um artigo para o Financial Times: “Como a migração mudou Martha’s Vineyard.” Para substituir os universitários majoritariamente brancos que costumavam pintar casas, fazer camas e festas, a década de 1990 trouxe milhares de brasileiros dispostos a trabalhar mais e a se apresentar de forma confiável nas manhãs. A partir de 2007, cerca de 1 em cada 3 crianças nascidas na ilha tinha mãe brasileira, de acordo com dados de saúde de Massachusetts.
Tenho acompanhado a crescente população brasileira da ilha a um homem, Lyndon Johnson Pereira. Em 1986 ele deixou uma pequena cidade rural no estado brasileiro de Minas Gerais e encontrou um emprego lavando pratos em uma padaria de Boston.

Então um cliente sugeriu ajudá-la a abrir um restaurante em Martha’s Vineyard. Saindo de um barco em um dia cinzento de dezembro, ele não conseguia entender por que alguém iria querer vir para a ilha deserta.

Mas em junho de 1987, quando Pereira completou 24 anos e tirou um raro dia de folga para pescar com o patrão, descobriu o charme de verão de Martha’s Vineyard. “Foi um aniversário diferente de qualquer outro, morando em uma ilha onde sou o único brasileiro”, escreveu ele para casa. “É um país cheio de milionários no verão, cheio de artistas e atores. É uma ilha linda e espero ganhar um bom dinheiro neste verão para poder voltar o mais rápido possível.”

Demorou um ano e meio para Pereira ganhar o suficiente para voltar para casa. Mas ele já havia desencadeado o primeiro afluxo significativo de imigrantes da ilha desde os portugueses, mais de um século antes. E enquanto ele estava indo, muitos dos que vieram depois não o fizeram. Em 2009, guias locais me contaram que estimavam que dos então 15.000 residentes durante todo o ano, cerca de 3.000 eram brasileiros.

Muitos imigrantes brasileiros que chegaram à ilha entraram nos Estados Unidos pela fronteira sul com o México e atravessaram ilegalmente. Outros têm visto de turista vencido. Nem todos estavam em situação irregular, mas os líderes comunitários me disseram na época que acreditavam que a maioria estava em situação irregular.

Todos os residentes de verão, de líderes mundiais a estrelas de cinema e turistas em viagens de um dia de Boston, que vieram para aproveitar a ilha, se beneficiaram de seu trabalho. Concluí meu relatório informando que o presidente Barack Obama estaria visitando no verão de 2009, jogando golfe e almoçando em lugares com brasileiros. (Ele ainda não tinha comprado sua fortuna avaliada em US $ 11,75 milhões na ilha.)

“Quando o verão acabar, o presidente voltará a Washington e enfrentará uma agenda lotada”, escrevi, “que não incluirá uma reforma prometida do sistema de imigração dos EUA, que agora foi adiada até pelo menos 2010.”

Levarão anos até que possamos imaginar um líder dos EUA com vontade política e apoio do Congresso para pressionar pela reforma da imigração.

Enquanto isso, uma geração de filhos de brasileiros cresceu como ilhéus. Há casamentos entre imigrantes e residentes cujas famílias nos Estados Unidos remontam a gerações.

Os brasileiros se adaptaram e contribuíram para a cultura da ilha. Dados atuais do censo dos EUA identificados pouco menos de 1.000 residentes permanentes no Brasil, mas o número é provavelmente muito maior, pois os imigrantes geralmente tendem a ser subestimados. Aqueles que podem ter se tornado cidadãos dos EUA. O português é oferecido no ensino médio regional. Todas as indústrias da grande ilha incluem empresas brasileiras: construção, conserto de barcos, paisagismo, restaurantes, limpeza, transporte e tecnologia.

Quando a notícia se espalhou Quando os migrantes foram recentemente deixados na ilha, membros da comunidade brasileira quiseram ajudar. Enquanto alguns perguntavam como esses recém-chegados encontrariam moradia quando a ilha já estava em falta, outros ofereceram suas próprias casas.

No Página do Facebook de BrazukadaEm um grupo de mais de 10.000 membros onde a comunidade brasileira local compartilha notícias e dicas, a mensagem de uma mulher em português tipificou a resposta: “Estou muito grata a Deus hoje por ter tudo que minha família precisa. Eu quero ajudar essas pessoas que chegaram aqui na ilha ontem.”
Depois de um dia e uma noite agitados, o grupo, formado principalmente por venezuelanos, foi transferido para uma base militar em Cape Cod na manhã de sexta-feira. Apesar da abundância de apoio financeiro e material, Martha’s Vineyard não conseguiu oferecer a esses migrantes a ajuda de que precisam. A ilha não tem alojamento nem tribunal de imigração, e Alguns dos migrantes já tinham datas de julgamento no distante estado de Washington na segunda-feirade acordo com a advogada de imigração Rachel Self.

No início de um longo e complexo processo legal, não está claro onde esses migrantes irão parar em seguida. Mas os brasileiros de Martha’s Vineyard permanecerão na ilha que fizeram de seu lar.

Isabela Carreira

"Organizador sutilmente encantador. Ninja de TV freelancer. Leitor incurável. Empreendedor. Entusiasta de comida. Encrenqueiro incondicional."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.