Piloto irlandês forçado a enfrentar revés em Portugal

O Rally de Portugal tem a reputação de ser o evento mais implacável do Campeonato do Mundo de Ralis – e o contingente irlandês que lá compete este fim-de-semana vivenciou-o ontem.

A má direção fez com que o corredor do WRC2 Josh McErlean não conseguisse completar a etapa de sexta-feira, enquanto os danos na suspensão impediram o desafiante do Campeonato Mundial de Rally Júnior da FIA Jon Armstrong em suas trilhas.

Antes desse revés, Armstrong liderava a série por um minuto e meio. “Não batemos em nada – foi o resultado das fases difíceis pelas quais passamos”, disse o homem de Kesh.

McErlean e Armstrong voltarão hoje junto com William Creighton de Moira, que renunciou ontem porque não tinha um segundo sobressalente no porta-malas de seu carro para substituir a faca frontal esquerda.

No Campeonato do Mundo de Rali, Craig Breen foi outro que teve um dia para esquecer no primeiro contador de cascalho puro da temporada. No entanto, ele está confiante em acumular pontos que, seguindo em frente, podem ser cruciais se ele continuar na busca pela primeira coroa de piloto do WRC.

O piloto da M-Sport Ford e companheiro de equipe irlandês Paul Nagle continuou na quarta rodada hoje a partir do oitavo, mas conhecer a estrada difícil de Portugal significa que tudo é possível.

“Foi um dia muito difícil para todos, mas eis que estamos no fim, apesar de ter tantos problemas”, disse ele. “O ritmo é bom – o que é importante – por isso estou feliz com isso.”

A forte largada que colocou a dupla em quarto lugar geral após as duas etapas de sexta-feira foi abruptamente interrompida quando nuvens de poeira começaram a encher o cockpit de seu Puma no SS3. O problema continuou na zona de fixação de pneus na hora do almoço, onde os mecânicos começaram a selar as lacunas nos painéis que suspeitavam permitir a entrada de sujeira.

Breen e Nagle sofreram mais dificuldades na etapa seis quando seu carro Puma Rally1 sofreu uma facada na frente esquerda antes de perder potência para o híbrido causando mais perdas de tempo. As coisas foram de mal a pior na penúltima etapa de sexta-feira, quando um breve lapso de concentração resultou em Breen largo e girando.

Takamoto Katsuta da Toyota e seu co-piloto da Fintona Aaron Johnston têm muito menos contratempos para lidar, sua abordagem constante garante que eles comecem o dia em quarto, 5,2 segundos atrás do estreante Dani Sordo, terceiro colocado no Rally1.

Tendo evitado o perigo, Elfyn Evans assumiu temporariamente a liderança em Matosinhos por 13,6 segundos de Kalle Rovanpera.

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.