Portugal a melhorar lentamente a corrupção – The Portugal News

Portugal melhorou ligeiramente a sua posição no Índice de Perceção de Corrupção 2021 da Transparência Internacional, mas os problemas mantêm-se.

Para a representação portuguesa da organização internacional, a existência de uma estratégia nacional de combate à corrupção “para melhor ou para pior” pode explicar porque Portugal melhorou uma posição no índice anual, de 33.º para 32.º lugar, mas também pode ser o explicação para isso que eu não melhorei ainda mais.

“Para melhor ou para pior, temos uma estratégia. Obviamente, apesar dos esforços do governo para criar esta estratégia, o impacto não foi tão forte, precisamente porque a estratégia não é ambiciosa e não é aplicável a órgãos de soberania e, portanto, não afeta as instituições fundamentais da democracia e anticorrupção”, disse Susana Coroado, Presidente da Transparência Internacional Portugal, em frente à Lusa.

“A corrupção política é deixada de fora, altos cargos são deixados de fora e isso não transmite uma imagem de boa liderança, função de modelo e, em última análise, negligencia áreas problemáticas na prevenção da corrupção”, acrescentou.

Mais do que a repressão, que Susana Coroado vê como o meio mais importante de combate à corrupção em Portugal através da legislação, a responsável defende que o foco deve ser a prevenção, melhoria da gestão de conflitos de interesses, identificação de riscos e disponibilização de informação por parte das instituições públicas, permitindo maior participação da sociedade civil nos processos decisórios e controles.

A fiscalização é uma omissão recorrente por falta de financiamento público para o efeito, disse, mas que pode ser minimizada com maior transparência, permitindo um melhor acesso aos meios de comunicação social, e vai tornar-se um grande problema na utilização dos fundos de recuperação europeus e seu Programa de Resiliência (PRR).

“Agora que estão chegando grandes quantias de dinheiro europeu, os riscos de uso indevido de fundos, desvio de fundos e influências que resultam na distribuição de fundos não serem devidamente registrados, é importante ter essas medidas preventivas em vigor desde o início”, ela disse .

Susana Coroado vê a recuperação de um lugar no índice do ano passado, quando Portugal registou a pior classificação de sempre como “positiva”, mas como “uma recuperação reduzida”.

Portugal ocupa o 32º lugar com 62 pontos em 100, empatado com a Coreia do Sul e abaixo da média da União Europeia de 64 pontos. O Índice de Transparência Internacional 2021 é liderado pela Dinamarca e Nova Zelândia com 88 pontos, além da Finlândia. Na parte inferior estão a Síria e a Somália com 13 pontos e o Sudão do Sul com 11 pontos.

“Se você olhar como Portugal se saiu nos últimos 10 anos, [this] mostra uma estagnação preocupante, mesmo considerando que a corrupção era uma das principais preocupações dos cidadãos. O poder público deve fazer mais para responder aos anseios dos cidadãos e às necessidades do regime democrático”, defendeu.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *