Revelando o mundo da corrupção

O Consórcio Internacional de Jornalistas Investigativos (ICIJ) produziu uma análise fácil de entender sobre o grande número de documentos vazados em seus explosivos documentos Pandora sobre corrupção global.

Os Pandora Papers são de grande importância para Portugal visto que é visto internacionalmente e pelos seus próprios cidadãos como um país significativamente corrupto que as autoridades aqui lutam para corrigir.

O ICIJ divulgou agora uma série de breves declarações sobre como os ricos e famosos conseguiram tirar proveito dos sistemas financeiros offshore. Ele resume os Pandora Papers publicados, que compreendem quase 12 milhões de documentos e um tamanho de 2,9 terabytes, uma coleção sem precedentes de arquivos vazados compilados por mais de 600 jornalistas investigativos de 117 países.

Os indivíduos mais corruptos incluem chefes de estado, líderes políticos, executivos bilionários, celebridades do entretenimento e estrelas do esporte. O que esses bandidos estavam fazendo ainda está se revelando, mas severamente prejudicado pelas revelações do ICIJ sobre o ponto fraco das finanças offshore e o impacto da desigualdade nas pessoas ao redor do mundo.

Dois nomes que vêm à mente em relação à corrupção em Portugal são a outrora fabulosamente rica empresária Isabel dos Santos, cujos bens portugueses foram agora confiscados, e o ex-primeiro-ministro José Sócrates, que passou muito tempo nos tribunais. O ICIJ nomeou uma dúzia de outros ex-primeiros-ministros de diferentes países. Dois chefes de famílias reais estão na longa lista de corrupção do ICIJ: o rei Abdullah II da Jordânia e o ex-rei Juan Carlos da Espanha. As estrelas da música incluem Ringo Starr e Elton John. Muitos da elite usaram paraísos fiscais para manter coisas como luxuosas casas estrangeiras, jatos particulares, iates de luxo e muito mais em segredo.

O mundo offshore prosperou apesar de décadas de legislação, investigações e acordos internacionais para combater a lavagem de dinheiro e a evasão fiscal por parte dos ricos e bem relacionados. Essas reformas normalmente visam paraísos fiscais, que, de acordo com o ICIJ, são muitas vezes vistos na imaginação popular como aglomerados distantes de ilhas sombreadas por palmeiras.

Manter as atividades financeiras em segredo se tornou um grande negócio. O sistema offshore é apoiado por instituições de elite – bancos multinacionais, escritórios de advocacia e firmas de contabilidade – muitas vezes com sede nos EUA e na Europa, particularmente Delaware e Suíça.

Por que é importante que advogados e contadores minem o sistema? Bem, explica o ICIJ, se os super-ricos jogam com regras diferentes e guardam sua riqueza em lugares onde não vivem, ganham dinheiro e provavelmente nem estiveram lá, Trilhões estão sendo retirados dos cofres públicos – dinheiro que os governos poderiam usar para ajudar lidar com crises de receita, uma pandemia, mudanças climáticas e muito mais. Enquanto as fortunas são protegidas no exterior, pessoas comuns cobrem a diferençaaumentando a distância entre os que têm e os que não têm em todo o mundo.

Esses ativos também são escondidos de agências governamentais, credores, promotores e escrutínio público – ocultando riqueza inexplicável ou ilícita, permitindo a corrupção e privando as vítimas de irregularidades de recursos potenciais.

O ICIJ também se interessou por histórias como os segredos financeiros funcionam de maneiras surpreendentes contra o interesse público. Mas enquanto protestos violentos e conferências de imprensa inflamadas tendem a dominar as manchetes depois que o ICIJ divulga uma grande investigação como os Pandora Papers, leva meses e às vezes anos para que a ação real – a mudança real – se desenvolva completamente.

Com sede em Nova York, mas sempre focado no mundo mais amplo das finanças, o ICIJ se esforça para espalhar a palavra e dá as boas-vindas aos recém-chegados aos seus links informativos e a qualquer pessoa que possa fazer doações para ajudar a continuar seu trabalho extraordinário.

Mais informações podem ser encontradas aqui:https://www.icij.org/investigations/pandora-papers/

POR LEN PORT

Len Port é jornalista e autor radicado no Algarve. Acompanhe as reflexões de Lens sobre eventos atuais em Portugal no seu blog: algarvenewswatch.blogspot.pt

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.