Vaticano sanciona Prêmio Nobel por alegações de Timor

CIDADE DO VATICANO — O escândalo de abuso sexual de décadas da Igreja Católica alcançou um vencedor do Prêmio Nobel da Paz na quinta-feira, com o Vaticano confirmando que sancionou o herói da independência de Timor-Leste, o bispo Carlos Ximenes Belo, depois que ele foi acusado de abusar sexualmente de meninos na década de 1990.

A admissão do Vaticano veio um dia depois que uma revista holandesa, De Groene Amsterdammer, descobriu as acusações contra o reverenciado bispo católico, citando duas das supostas vítimas de Belo e relatando que havia outras em Timor Leste, onde a Igreja está crescendo enormemente, não afeto relatado.

O porta-voz Matteo Bruni disse que o escritório do Vaticano, que lida com casos de abuso sexual, recebeu alegações “sobre a conduta do bispo” em 2019 e impôs as restrições dentro de um ano. Eles incluíam restrições à liberdade de movimento e ministério de Belo e o proibiam de contato voluntário com menores ou contato com Timor Leste.

Em comunicado, Bruni disse que as sanções foram “modificadas e reforçadas” em novembro de 2021 e que Belo aceitou oficialmente a punição nas duas ocasiões.

No entanto, o Vaticano não forneceu uma explicação sobre por que João Paulo II permitiu que Belo deixasse a liderança da Igreja em Timor-Leste duas décadas antes em 2002 e fosse enviado para Moçambique, onde trabalhou com crianças.

As notícias do comportamento de Belo causaram ondas de choque na nação fortemente católica e empobrecida do Sudeste Asiático, onde ele é visto como um herói na luta pela independência de Timor Leste do domínio indonésio.

“Também estamos aqui em choque ao ouvir esta notícia”, disse um funcionário da Arquidiocese de Díli em Timor Leste à Associated Press na Quinta-feira sob condição de anonimato.

Nem o Comitê Nobel nem as Nações Unidas responderam imediatamente aos pedidos de comentários.

De Groene Amsterdammer disse que duas supostas vítimas, identificadas apenas como Paulo e Roberto, relataram ter sido molestadas por Belo e disse que outros meninos também foram vítimas. A investigação revelou que Belos estava ciente dos abusos do governo timorense, trabalhadores humanitários e da igreja.

“O bispo me estuprou e abusou sexualmente naquela noite”, disse Roberto à revista. “De manhã cedo ele me mandou embora. Eu estava com medo porque ainda estava escuro. Então eu tive que esperar antes que eu pudesse ir para casa. Ele também deixou dinheiro para mim. Era para manter minha boca fechada. E para garantir que eu volte.”

Belo ganhou o Prêmio Nobel da Paz de 1996 ao lado do ícone da independência timorense José Ramos-Horta por fazer campanha por uma resolução justa e pacífica para o conflito de sua pátria enquanto lutava pela independência da Indonésia, uma ex-colônia holandesa.

Em sua citação, o Comitê Nobel norueguês elogiou a coragem de Belo em não se deixar intimidar pelas forças armadas indonésias. A comissão descobriu que, numa tentativa de conseguir que as Nações Unidas organizassem um referendo para Timor Leste, ele contrabandeou duas testemunhas de um sangrento massacre de 1991 para que pudessem depor perante a Comissão dos Direitos Humanos da ONU em Genebra.

Ramos-Horta mais tarde tornou-se Presidente de Timor-Leste, uma antiga colónia portuguesa. Depois de regressar dos EUA na Quinta-feira, onde se dirigiu à Assembleia Geral da ONU, Ramos-Horta foi questionado sobre as alegações contra Belo e referido ao Vaticano.

“Prefiro esperar por mais ações da Santa Sé”, disse ele.

Belo, que se acredita estar morando em Portugal, não respondeu ao telefone da Rádio Renascença, emissora privada da Igreja portuguesa.

Belo é um padre salesiano de Dom Bosco, uma ordem religiosa católica romana que há muito tem sido influente no Vaticano. A filial portuguesa dos Salesianos disse quinta-feira que foi “com grande tristeza e espanto” saber da notícia.

A sucursal distanciou-se de Belo, alegando que ele não era associado à ordem desde que assumiu o cargo em Timor Leste. No entanto, Belo ainda é um bispo salesiano, listado no Anuário do Vaticano com suas iniciais salesianas “SDB” no final de seu nome.

“Em relação aos assuntos cobertos pelas notícias, não temos inteligência que nos permita comentar”, diz o comunicado salesiano.

Disse que os salesianos portugueses acolheram Belo a pedido de seus superiores depois que ele deixou Timor Leste em 2002 e porque era bem visto, mas disse que não tinha feito nenhum trabalho pastoral em Portugal.

A revista holandesa disse que sua pesquisa mostrou que Belo também abusou de meninos quando trabalhou em um centro de formação salesiana na década de 1980, antes de se tornar bispo.

Paulo, agora com 42 anos, disse à revista holandesa que uma vez foi molestado por Belo na residência do bispo em Díli, capital de Timor Leste. Ele pediu para permanecer anônimo “para a privacidade e segurança dele e de sua família”, disse a revista.

“Pensei: ‘Isso é nojento. Eu não vou mais lá”, disse ele à revista.

Roberto, que também pediu para não ser identificado, disse ter sido abusado em várias ocasiões, começando por volta dos 14 anos após uma celebração religiosa em sua cidade natal. Roberto mais tarde mudou-se para Díli, onde o suposto abuso continuou na residência do bispo, informou a revista holandesa.

Não está claro se ou quando as supostas vítimas se entregaram à igreja local, à aplicação da lei ou às autoridades do Vaticano.

João Paulo II aceitou a renúncia de Belos como Administrador Apostólico de Díli em 26 de novembro de 2002, quando tinha 54 anos, por outros motivos “graves” que os impossibilitam de continuar.

Em 2005, Belo disse à UCANews, uma agência de notícias católica, que renunciou devido ao estresse e problemas de saúde. Belo não teve outra carreira episcopal depois disso, e Groene Amsterdammer disse que se mudou para Moçambique e trabalhou lá como padre.

Belo disse à UCANews que se mudou para Moçambique depois de consultar o chefe da Missão do Vaticano, Cardeal Cresenzio Sepe, e concordou em trabalhar lá por um ano antes de retornar a Timor Leste.

“Faço trabalho pastoral, ensinando catecismo para crianças e fazendo retiros para jovens. Desci de cima para baixo”, disse Belo, citado pela UCANews.

As tentativas de chegar ao Sepe, agora aposentado, não tiveram sucesso.

Quando Belo se aposentou como chefe da Igreja em Timor Leste em 2002, o escândalo de abuso sexual nos Estados Unidos tinha acabado de explodir publicamente, e o Vaticano tinha acabado de começar a reprimir padres abusivos, exigindo que todos os casos de abuso fossem denunciados à justiça. enviado ao Vaticano para verificação.

No entanto, os bispos estavam isentos dessa obrigação. Foi apenas em 2019 que o Papa Francisco aprovou uma lei canônica exigindo que todas as más condutas sexuais contra bispos fossem denunciadas internamente e fornecendo um mecanismo para investigar as alegações, sugerindo que a nova lei levou o Vaticano a agir.

É possível que no início dos anos 2000 a atividade sexual de Belo com adolescentes fosse negada pelo Vaticano se tivessem 16 ou 17 anos, já que naqueles anos o Vaticano considerava tal atividade um pecado, mas consensual. Em 2010, o Vaticano elevou a idade de consentimento para 18 anos.

Belo não é o único oficial da Igreja em Timor Leste a ser acusado de abuso. Um padre americano destituído, Richard Daschbach, foi considerado culpado por um tribunal em Dili no ano passado por abusar sexualmente de meninas órfãs e desfavorecidas sob seus cuidados e condenado a 12 anos de prisão, o primeiro caso desse tipo no país.

———

Meilana relatou de Díli, Timor Leste. Alves relatou de Lisboa, Portugal. Mike Corder em Amsterdã e Edith Lederer das Nações Unidas contribuíram.

Marco Soares

Entusiasta da web. Comunicador. Ninja de cerveja irritantemente humilde. Típico evangelista de mídia social. Aficionado de álcool

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado. Campos obrigatórios marcados com *