Web Summit – Techies viajam para Lisboa

A Web Summit regressa a Lisboa de 1 a 4 de novembro após um ano de ausência, com dezenas de milhares de pessoas a descer à capital portuguesa para falar de tecnologia.

Quando a Web Summit, uma das maiores conferências de tecnologia do mundo, encerrou seu mandato de sete anos em Dublin após o SXSW de Austin Texas, a cidade registrou os preços imobiliários mais altos da Europa. O organizador do evento, Paddy Cosgrave, mudou o evento para Lisboa em novembro de 2016 para receber cerca de 50.000 técnicos que acharam Lisboa atraente por seus aluguéis baratos, estilo de vida invejável ao sol e pool de talentos acessível e altamente qualificado. Enquanto a maioria dos atributos do capital português permanecem inalterados, os custos de propriedade não são mais um deles, pois os preços estão rapidamente alcançando o resto da Europa.

A Web Summit regressa a Lisboa pela 5ª vezº Tempo de 1 a 4 de novembro com previsão de 40.000 participantes de todo o mundo invadindo a Altice Arena em Lisboa. 1.000 palestrantes e aproximadamente 1.250 start-ups irão coletar pitches e doações, fazer networking e geralmente tomar conta das praias da capital, vida noturna vibrante e aeroporto.

Em 29/09º, Portugal atingiu o marco de ser o país com mais duplamente vacinados no mundo, com impressionantes 84% ​​da população tendo recebido duas doses da vacina. Mesmo que as restrições tenham sido completamente levantadas pelo governo português em 1º de outubroSt, que permite a reabertura das discotecas pela primeira vez desde março de 2020 e as pessoas fazerem refeições no interior sem restrições, de Lisboa ao interior, muitos portugueses continuam a usar máscaras por dentro e por fora. Os organizadores decidiram que era seguro trazer o Web Summit de volta a um evento presencial depois de se tornar digital com mais de 100.000 pessoas em todo o mundo para sua edição de 2020, que ocorreu durante a pandemia de coronavírus.

Para os portugueses, a preocupação era que a chegada em massa de nômades digitais e técnicos aumentasse os preços dos imóveis, apenas para vê-los mudar para o próximo melhor local, deixando o país com preços inflacionados e pouco mais pelo tempo gasto no país. Tendo sido pobres na Europa na história recente, e ainda mais depois da crise financeira de 2007-2008, os portugueses são agora pobres no seu próprio país e sentem as dificuldades enquanto lutam para continuar a viver nos bairros onde cresceram enquanto a popularidade de Lisboa aumenta.

Mas duas coisas desafiam a teoria de que os UHNWIs no cenário tecnológico de Portugal podem estar em pior situação do que encontraram. A primeira é que é difícil imaginar um lugar melhor para se viver em qualquer lugar da Europa, onde muitos ficam muito tempo após o Web Summit ou incentivos fiscais, uma vez que investiram e se ajustaram ao estilo de vida tranquilo, mas divertido. Em segundo lugar, o governo português está a fazer tudo o que está ao seu alcance para atrair e reter os UHNWIs através de ofertas Visto de Inicialização e Programa para residentes não comuns, um esquema de residente por investimento que dá aos investidores uma taxa fixa de 20% de imposto de renda, provando ser particularmente popular entre os europeus altamente tributados. Enquanto os programas governamentais pró-negócios continuarem, o sol brilhar e as universidades portuguesas tiverem um excelente desempenho, o imobiliário continuará a sua tendência ascendente, os técnicos investirão e criarão novos pólos de start-up e tecnologia em partes de Lisboa que estavam subdesenvolvidas.

Desejamos à Web Summit as boas-vindas de volta a Lisboa!

Elite Boss

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.