Yo-Yo Ma interpreta Mozart com refugiados afegãos em Portugal | Notícias de entretenimento

Por HELENA ALVES, Associated Press

LISBOA, Portugal (AP) – O renomado violoncelista norte-americano Yo-Yo Ma juntou-se a refugiados do Instituto Nacional de Música do Afeganistão na capital portuguesa Lisboa na terça-feira para uma apresentação de Eine kleine Nachtmusik de Mozart.

Ma junta-se a jovens músicos afegãos e portugueses no pequeno palco do Conservatório Nacional, onde estudam os refugiados que chegaram em dezembro passado.

“A melhor defesa contra qualquer coisa é a cultura”, disse Ma a uma plateia de dezenas de Lisboa em um discurso.

“Eles estão a arriscar as suas vidas por algo em que acreditam e tu, em Lisboa, abres o teu coração e arriscas… todo o tipo de coisas para fazer o que é humano”, disse.

Caricatura Política

Portugal concedeu asilo a um grupo de 273 pessoas, incluindo cerca de 150 estudantes, do Instituto Nacional de Música do Afeganistão que fugiam do Afeganistão após a tomada do Talibã em agosto passado. Ma ajudou-os a sair do Afeganistão.

O Talibã tomou o poder quando os EUA e a OTAN encerraram sua presença militar de 20 anos.

O Afeganistão tem uma forte tradição musical, e a música pop floresceu lá nas últimas duas décadas. Mas muitos músicos temem por seu futuro sob o Talibã, que governa de acordo com uma interpretação estrita da lei islâmica.

“Nosso processo de integração da comunidade está indo muito bem aqui”, disse o Dr. Ahmad Sarmast, fundador e chefe do Instituto Nacional de Música do Afeganistão.

“Os alunos são reinscritos na escola, vão para o conservatório, fazem música, juntam-se a alguns conjuntos e orquestras, também estão lentamente começando a causar um tremendo impacto musical em sua comunidade”, disse ele à Associated Press em à margem entre as apresentações.

Ma e Sarmast cumprimentaram os alunos, alguns dos quais também tocavam instrumentos musicais tradicionais afegãos, após o recital de Mozart.

Marzia Anwari, uma musicista adolescente do Instituto Nacional de Música do Afeganistão, disse que Ma era acessível e a deixava à vontade.

“Ele foi muito, muito bom”, disse ela. “Estou muito feliz agora.”

O plano é recriar o instituto em Portugal, permitindo que os alunos continuem seus estudos, como parte de um centro cultural afegão mais amplo em Lisboa, que acolherá exilados.

Direitos autorais 2022 O Imprensa associada. Todos os direitos reservados. Este material não pode ser publicado, transmitido, reescrito ou redistribuído.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.