Cinco anos após a tragédia dos incêndios florestais, Portugal volta a ser atingido pelo calor e pela seca

  • Iberia mais seca em 1.200 anos quando os incêndios se intensificam
  • Governo instado a tomar medidas preventivas
  • Interesses rivais competem por recursos hídricos cada vez menores

LEIRIA, Portugal, 20 de julho (Reuters) – Chocado em 2017 pelos incêndios florestais que mataram 66 pessoas, o governo português tomou medidas para minimizar o risco de uma tragédia semelhante acontecer novamente.

Mas cinco anos depois, as chamas estão de volta ao campo que, com medidas de prevenção de incêndios mal aplicadas em florestas e plantações reduzidas a um barril de pólvora por ondas de calor e seca sem precedentes, estão igualmente expostas ao risco de destruição descontrolada.

“Não queremos que mais pessoas morram por causa dos incêndios”, disse Dina Duarte, chefe de uma associação que ajuda vítimas de incêndios florestais no município central de Pedrogão Grande, o desastre mais mortal da história moderna portuguesa.

Inscreva-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

“Queremos alertar que o que aconteceu em 2017 acontecerá novamente se nenhuma prevenção… estiver acontecendo (neste momento)”, disse ele à Reuters em um cenário de eucaliptos e pinheiros cercados por vegetação seca como um dos vários incêndios. floresta portuguesa ativa arde nas proximidades.

Após Pedrogão Grande, o governo investiu em drones e helicópteros de bombardeio de água, mas Duarte disse que a maior parte do equipamento estava fora de serviço e as leis que impõem 10 metros de distância entre estradas e vegetação foram amplamente ignoradas no centro e no norte. área.

Portugal e a vizinha Espanha também são particularmente vulneráveis ​​a condições cada vez mais quentes e secas – atribuídas ao aquecimento global pelos cientistas – que estão tornando os incêndios mais frequentes e perigosos. Consulte Mais informação

A expansão sem precedentes do sistema de alta pressão atlântica “alto Açores” impulsionada pelas mudanças climáticas deixou a península ibérica nas condições mais secas em 1.200 anos, e as chuvas de inverno devem cair ainda mais, mostra um estudo da revista Nature Geoscience. .

Este ano, quase 58.000 hectares (224 milhas quadradas) foram destruídos pelos incêndios, o maior desde 2017, e cerca de 96% da massa terrestre de Portugal enfrenta seca severa ou extrema, disse a agência meteorológica IPMA.

RECURSOS DO RESERVATÓRIO DE ACORDO COM

Perto de Pedrogão Grande, ressurgiu uma aldeia que naufragou em 1954 com a construção da barragem do Cabril.

O reservatório está apenas 37% cheio, com o nível de água caindo, como na maioria das barragens portuguesas, abaixo da média histórica, à medida que interesses rivais competem por recursos cada vez menores.

As barragens são frequentemente usadas por bombardeiros de água, mas a capacidade reduzida significa que há menos suprimentos para apagar os incêndios, disse Duarte.

Sessenta deles também fornecem energia hidrelétrica, que gera 30% das necessidades de eletricidade de Portugal.

Grupos ambientalistas dizem que as concessionárias estão usando mais água do que o necessário e, em resposta, o governo ordenou que algumas barragens priorizassem o consumo humano de água sobre as necessidades da empresa. Consulte Mais informação

“Não pode ser apenas lucro”, disse Duarte, apontando também para a agricultura intensiva. “Tem que haver uma consciência social e ecológica de que a barragem tem que estar preparada para o verão (que)… provavelmente ficará ainda mais seco.”

A agricultura consome 75% do abastecimento de água de Portugal, mas os sistemas de irrigação desatualizados desperdiçam cerca de um terço disso, disse a agência ambiental APA.

Os agricultores pediram às autoridades que modernizem a irrigação, melhorem o manejo florestal e invistam em tecnologia de dessalinização.

‘CORTE VAMOS DESISTIR’

No sol quente, Igor Pedro, que cria vacas, ovelhas e cabras em uma fazenda no centro de Sert, diz que a escassez de água também está causando um grande impacto nos animais, pois o arbusto verde que costumavam comer desapareceu.

“Não podemos dar ordens (de Deus)…”, disse o homem de 38 anos. “Temos que lidar com o que vem a seguir, mas não parece estar melhorando.”

O açougueiro António Simões, dono de uma loja perto da quinta, disse que a seca, bem como a subida da inflação devido à invasão da Ucrânia pela Rússia, fizeram com que os seus custos de produção subissem cerca de 70%.

Se a seca piorar como esperado, o empresário de 66 anos pode não ter escolha a não ser fechar o negócio da família: “Não sei se podemos continuar, porque há limites”.

O olivicultor Manuel Lopes, de 67 anos, teme que um grande incêndio florestal perto da sua plantação no distrito de Murça transforme as suas árvores em cinzas.

“A seca é extrema… Sem chuva e sem inverno…”, disse. “Nossos netos… sofrerão se isso (a mudança climática) não parar.”

Inscreva-se agora para ter acesso GRATUITO e ilimitado ao Reuters.com

Reportagem de Catarina Demony, Miguel Pereira e Rodrigo Antunes em Leiria, Portugal; Reportagem adicional de Guillermo Martinez em Tabara, Espanha; Editado por Andrei Khalip e John Stonestreet

Nosso padrão: Princípios de Confiança da Thomson Reuters.

Fernão Teixeira

"Criador. Totalmente nerd de comida. Aspirante a entusiasta de mídia social. Especialista em Twitter. Guru de TV certificado. Propenso a ataques de apatia."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.