História Chave – Notícias de Portugal

Eu acho que todo mundo tem um monte de chaves – fechaduras das portas dianteiras e traseiras, carros, cofres, armazéns – você escolhe, há chaves – e a última no anel é definitivamente o que você está procurando! Parece que estamos quase obcecados (muito apropriadamente) com a segurança de nós mesmos ou de nossos pertences. Mas você já se perguntou de onde surgiu a ideia?

Aparentemente, fechaduras e cadeados apareceram pela primeira vez há 6.000 anos no antigo Egito – feitos de madeira, com chaves que pareciam escovas de dentes. São pesados ​​e pouco duráveis, mas possuem uma técnica de pin drop para controlar o movimento do ferrolho de segurança. O parafuso pode ser liberado inserindo esta chave grande na fechadura e levantando-a manualmente, substituindo os pinos mantidos no lugar pela gravidade.

Às vezes, essa fechadura de madeira ficava na parte de dentro da porta, e um buraco era feito na porta para que o braço que segurava a fechadura fosse inserido em uma manobra desajeitada antes que a abertura pudesse prosseguir.

Curiosamente, tanto o Ocidente quanto o Oriente (principalmente chineses) desenvolveram a ideia de fechaduras e chaves de forma independente e, mesmo naqueles tempos antigos, as pessoas queriam a capacidade de proteger seus pertences e mantê-los em lugares onde ninguém mais pudesse acessá-los. .

Romanos

Os romanos introduziram muitas melhorias, tornando as fechaduras leves o suficiente para serem transportadas, mas a natureza cara das fechaduras e sua incapacidade de manter a força bruta ou a fácil abertura fizeram com que parecessem meros símbolos de riqueza, influência e nobreza.

Pequenas chaves feitas de metal (mesmo prata ou ouro) são muitas vezes vistas como uma das maneiras mais eficazes de mostrar sua riqueza ao público, pois apenas os muito ricos podem comprar um cofre ou uma porta com chave.

Após a queda do Império Romano, fechaduras e chaves permaneceram relativamente inalteradas por mais de 1500 anos. Os serralheiros que faziam fechaduras e chaves à mão continuaram a ser empregados apenas pelos ricos, que exigiam mais proteção.

Para combater ladrões e intrusos, as fechaduras do período tornaram-se cada vez mais complexas, muitas vezes apresentando desenhos intrincados, fechaduras múltiplas, fechaduras falsas e qualquer outra coisa que pudesse obrigar um ladrão a desistir.

Diz-se que há vários séculos na Espanha havia uma grande desconfiança das chaves. Só por segurança, os moradores do quarteirão contratarão um guarda para patrulhar o bairro e levar as chaves de sua residência. Para entrar ou sair de casa, o morador bate palmas ruidosamente para chamar o guarda com a chave, para que tudo que entra e sai se torne um registro público – um exemplo interessante de uma comunidade que abre mão da privacidade ao negligenciar a posse da chave.

Ferramentas melhores

Com a chegada do século 19 e a expansão da industrialização, novos processos de metal, melhores ferramentas e a capacidade de fazer componentes-chave pequenos e duráveis, o negócio de fechaduras tornou-se próprio.

Inúmeros inventores concentraram suas carreiras em resolver problemas relacionados a fechaduras fracas, materiais frágeis e aumentar a proteção contra influências externas.

Em um período de apenas 100 anos, fechaduras e fechaduras receberam melhorias drásticas, principalmente com o trabalho de inventores renomados como Robert Barron, Joseph Bramah, Linus Yale Sr., James Sargent e Harry Soref – todas as suas inovações permitindo a criação do mecanismos de proteção que atualmente nos cercam.

Enquanto a fabricação industrial assumiu a produção de 99,9% das fechaduras modernas, os próprios serralheiros agora são mais reparadores do que criadores. No entanto, os serralheiros ainda podem fornecer informações valiosas na fabricação de mecanismos de travamento sofisticados e caros, como em cofres antifurto e cofres pessoais.

Os consumidores de hoje desfrutam da segurança trazida por chaves eletrônicas, acesso por cartão e reconhecimento de impressão digital ou visual. Com a chave eletrônica, as pessoas não precisam mais ser limitadas por chaves.

As chaves são apresentadas simbolicamente para o aniversário de 21 anos, supondo que, aos 21 anos, um indivíduo tenha idade suficiente para ser considerado o porta-chaves da casa da família. Era um sinal de maturidade, permitindo ao titular ir e vir à vontade, embora hoje em dia a idade de maturidade seja fixada em 18 anos em muitos países, mas infelizmente a maturidade nem sempre acontece da noite para o dia!

Chico Braga

"Explorador. Organizador. Entusiasta de mídia social sem remorso. Fanático por TV amigável. Amante de café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.