Pais de Madeleine McCann perderam processo no Tribunal Europeu dos Direitos Humanos por difamação a favor da polícia portuguesa

O Tribunal Europeu dos Direitos Humanos decidiu ontem sobre os pais da criança britânica desaparecida Madeleine McCann, dizendo que Portugal lhes deu um julgamento justo em sua batalha de difamação contra um ex-policial português.

O policial Gonçalo Amaral, que realizou uma investigação sobre o desaparecimento de Madeleine em 2007 em férias com a família em Portugal, sugeriu em um livro que escreveu, Verdade das mentirasque os pais da criança estavam envolvidos.

Kate e Gerry McCann estão processando Amaral por difamação. Em 2015, um tribunal português decidiu a seu favor, ordenando que Amaral lhes pagasse uma indemnização. Dois anos depois, a decisão foi anulada pelo mais alto tribunal de Portugal.

Agimos por uma e apenas uma razão: as alegações infundadas do senhor Amaral tiveram um impacto negativo na busca de Madeleine

Os pais recorreram então para um tribunal europeu, alegando que os seus direitos a um julgamento justo, o direito à vida familiar privada e a liberdade de expressão não tinham sido respeitados por Portugal.

A decisão do TEDH disse que o judiciário português não falhou em seu dever de proteger os direitos de McCann e que seu argumento sobre a presunção de inocência era infundado.

“Mesmo supondo que a reputação do requerente tenha sido prejudicada, isso não se deve aos argumentos apresentados pelos autores do livro, mas sim às suspeitas expressas contra eles”, decidiu o TEDH.

Amaral disse à Reuters que a decisão foi “uma vitória para a justiça e para o sistema de justiça português, e para todos aqueles que lutam pela liberdade de expressão e opinião”.

Os McCann disseram-se “decepcionados” com a decisão em comunicado através do seu advogado, Ricardo Correia Afonso, mas acrescentaram que “muita coisa mudou” desde que iniciaram o julgamento. Os advogados dizem que não vão recorrer.

“Estamos agindo por uma e apenas uma razão: as alegações infundadas de Amaral tiveram um efeito devastador na busca de Madeleine”, disse o comunicado.

“O foco agora está na busca por Madeleine e seu captor. Estamos gratos pelo trabalho em curso das polícias britânica, alemã e portuguesa.”

Madeleine McCann tinha três anos quando desapareceu em Maio de 2007 do seu quarto no apartamento Algarve onde vivia a sua família.

O velho foi interrogado pela polícia como suspeito oficial naquele outono. No mês de julho seguinte, a polícia portuguesa desistiu da investigação alegando falta de provas e absolveu-os de qualquer envolvimento.

Eles fizeram campanha incansável para chamar a atenção para o desaparecimento de sua filha, e figuras públicas britânicas – de magnatas dos negócios a escritores e estrelas do futebol – pediram informações.

Em maio, promotores alemães que investigam o caso desde 2020 disseram que foram encontradas evidências potencialmente novas contra um abusador de crianças condenado, que foi preso por estuprar uma mulher na mesma área quando Madeleine desapareceu.

Chico Braga

"Explorador. Organizador. Entusiasta de mídia social sem remorso. Fanático por TV amigável. Amante de café."

Deixe uma resposta

O seu endereço de email não será publicado.